9b. Citologia Normal e alterações reativas benignas

Translated by Leticia Maria Correia Katz

Conteúdo celular benigno das preparações citológicas

Um esfregaço cervical convencional ou uma preparação de citologia em meio liquido (CML) que tenha sido corretamente colhido com uma espátula, com um broom (dispositivo semelhante a uma vassoura) ou com uma escova, conterá uma variedade de células epiteliais do epitélio escamoso não queratinizado, da zona de transformação e do canal endocervical como descrito na seção sobre Anatomia, histologia e função do colo uterino.

Um esfregaço cervical benigno convencional ou em meio líquido deverá conter:

Células epiteliais escamosas da ectocérvice

  • Células escamosas superficiais
  • Células escamosas intermediárias
  • Células escamosas parabasais
  • Células naviculares

Epitélio Colunar do canal endocervical

  • Células endocervicais

Células escamosas metaplásicas da zona de transformação

Flora vaginal comensal

  • Lactobacilos, Gardnerella vaginalis, Leptothrix vaginalis

Muco cervical

 

Um esfregaço cervical benigno convencional ou em meio líquido poderá conter:

Células endometriais exfoliadas (dependendo da fase do ciclo menstrual)

  • Células epiteliais
  • Células estromais superficiais
  • Células estromais profundas

Histiócitos, leucócitos e glóbulos vermelhos (hemácias)

Contaminantes

  • e.g. espermatozóide, grânulos de talco 

 

Padrão citológico básico

O tipo de células epiteliais visto em um esfregaço cervical é determinado pelo (a):

  • Grau de maturação do epitélio cervical
  • Localização da junção escamocolunar
  • Presença de metaplasia na zona de transformação
  • Fase do ciclo menstrual em que o esfregaço é colhido
  • Efeito hormonal na gravidez, no uso de contraceptivos orais ou na terapia de reposição hormonal

Células escamosas Superficiais

Células grandes, de formato poligonal que variam de 40 a 60 mícrons de tamanho, com núcleos picnóticos centrais e abundante citoplasma eosinofílico / cianofílico translúcido, que pode conter grânulos de querato hialina. Nos esfregaços cervicais ou nos preparados em meio líquido, as células escamosas superficiais geralmente se apresentam como células isoladas discretas.

Células escamosas Intermediárias

As células escamosas intermediárias têm tamanho semelhante às células escamosas superficiais, com núcleos vesiculares centrais ligeiramente maiores que as superficiais, com um padrão de cromatina fino e uniforme, citoplasma cianofílico / eosinofílico transparente e abundante. As células escamosas intermediárias podem se apresentar isoladamente ou em agrupamentos celulares.

Células Naviculares representam uma variante de células intermediárias, muitas vezes presentes na gravidez ou no pós-parto. Essas células apresentam um formato de "barco" com uma borda externa espessada de citoplasma cianofílico / eosinofílico e núcleos excêntricos. A coloração citoplasmática central marrom / amarelada indica a produção de glicogénio.

• As células naviculares são observadas na presença de altos níveis de progesterona e quando as células escamosas superficiais se exfoliam mais facilmente, portanto, as células naviculares podem ser vistas com a utilização de anticoncepcionais à base de progestágenos exclusivos.

• As células intermediárias frequentemente sofrem citólise. Este é um processo fisiológico normal e a presença de lactobacilos é vista particularmente no final do ciclo menstrual ou no uso de pílulas anticoncepcionais a base de progesterona exclusiva. Essa citólise resulta em núcleos desnudos no esfregaço convencional ou em meio líquido.

 

  1. Scanned slides
  2. Scanned slides
  3. Scanned slides
  4. Scanned slides
  5. Scanned slides
  6. Scanned slides

 

Figura 9b-1 Citologia de células escamosas normais
Figure 9b-2.  Citólise em Papanicolaou normal 

 

Células escamosas Parabasais

Células escamosas parabasais são células escamosas pequenas, imaturas, ovais a redondas. As células possuem um grande núcleo vesicular central com cromatina fina e um citoplasma cianofílico denso. As células podem ser vistas isoladamente ou em grupos.

 

Figure 9b-3. Células parabasais Parabasal cells em Papanicolaou normal 

 

Células escamosas anucleadas

As células escamosas anucleadas são exatamente o que o nome se refere, ou seja, células escamosas sem núcleo. Estas células não são normalmente esfoliadas do colo do útero ou do terço superior da vagina, mas estão presentes no terço inferior da vagina e da vulva. A sua presença em um esfregaço cervical pode indicar:

  • Paraceratose e hiperceratose (leucoplasia) da ectocérvice.
  • Contaminação do esfregaço cervical por células da vulva ou terço inferior da vagina.
  • Resposta inflamatória.
  • Ruptura das membranas fetais, isto é, células escamosas anucleadas fetais
  • A amostra é um esfregaço vulvar.

 

Células Endocevicais

Células endocervicais são as células epiteliais da endocérvice. Estas podem ser apresentar individualmente, em tiras formando uma paliçada ou em arranjos com uma arquitetura muito regular. Ocasionalmente, o efeito “favo de mel" pode ser visualizado nas células endocervicais contendo muco abundante. O núcleo está situado basalmente, com cromatina finamente granular e uniformemente distribuída. A multinucleação e o aumento do tamanho nuclear são frequentemente visto em infecção, incluindo infecção pelo papilomavírus humano (HPV) e gravidez. As células são colunares e simétricas em todo o seu plano longitudinal. O citoplasma é descrito como delicado e muitas vezes vacuolizado, podendo conter uma cauda citoplasmática, como remanescente da membrana basal.

 

Metaplasia

Metaplasia inicial

As células metaplásicas iniciais são formadas a partir da proliferação de células basais / de reserva. As células metaplásicas iniciais não são exfoliadas, portanto, se estiverem presentes em um esfregaço cervical, ou seja, elas terão sido colhidas diretamente. Em consequência à colheita direta, as células metaplásicas precoce aparecerão como fragmentos de tecido. As células são pequenas, com uma elevada relação N/C, cromatina fina e uniformemente distribuída, membrana fina bem definida e ainda podem estar ligadas a células endocervicais adjacentes.

Metaplasia escamosa Imatura

Células metaplásicas imaturas podem aparecer nos esfregaços cervicais como células isoladas ou em arranjos (apresentação isolada é frequentemente observada no meio líquido devido à agitação mecânica). Os arranjos metaplásicos imaturos tendem a apresentar uma ligeira forma colunar (transformação de células glandulares em escamosas), têm uma elevada relação Núcleo/Citoplasma (N/C), cromatina granular grosseira e nucléolos eosinofílicos proeminentes. Figuras de mitose raramente são vistas.

Metaplasia escamosa Madura

As células metaplásicas escamosas maduras são de forma oval a poligonal (transformadas numa célula de tipo "escamoso"); têm bordas citoplasmáticas marcadas e citoplasma cianofílico denso. As pontes intercelulares podem ser visualizadas como "dedos" citoplasmáticos ou projeções. Quando vistos isoladamente ou em arranjos, as células metaplásicas maduras podem ser difíceis de diferenciar das células parabasais.

 

Amostragem (representação) da zona de transformação

A zona de transformação (ZT) estará corretamente representada se houver a presença de células endocervicais ou células metaplásicas escamosas no esfregaço cervical. O examinador precisará levar em consideração a idade, o estado hormonal do paciente assim como, a posição da junção escamo-colunar (JEC) que varia ao longo da vida reprodutiva da mulher.

Normalmente, um esfregaço cervical contém entre um a 10 grupos de células endocervicais (um grupo tem em geral um aglomerado de 10 células). Esse número, na maioria das vezes é suficiente para indicar que a zona de transformação foi representada.

Após a menopausa, a JEC retrai para dentro do canal endocervical além do alcance da escova ou espátula e, assim, os esfregaços colhidos após a menopausa raramente contêm células endocervicais. Os esfregaços colhidos na presença de ectopia contêm abundantes células endocervicais benignas. Células metaplásicas imaturas são encontradas em mulheres jovens em idade fértil ou após tratamento do colo, sendo raras em esfregaços de mulheres mais idosas.

 

Figure 9b-4 (a-d). Amostragem (representação) da zona de transformação 

(a) Normal endocervical cells
(b) Honeycomb presentation of normal endocervical cells
(c) Immature metaplastic cells
(d) Immature metaplastic cells

 

 

Endometrial cells

Células endometriais podem ser exfoliadas teoricamente, ao redor dos dias 0-12 do ciclo menstrual, mas dependendo de certas alterações fisiológicas e patológicas como sangramento uterino disfuncional, pólipo endometrial, hiperplasia endometrial, dispositivo intrauterino (DIU) ou carcinoma endometrial bem diferenciado, células endometriais podem ser vistas a qualquer momento.

As células epiteliais podem ser exfoliadas individualmente ou em arranjos tridimensionais, muitas vezes denominados "formações de amoras" (formações em bolas). As células endometriais têm uma elevada relação N/C com citoplasma cianofílico delicado, às vezes difícil de ser visualizado. Os núcleos têm cromatina grosseira, uniformemente distribuída e um único e pequeno nucléolo.

A menos que a aparência tridimensional típica seja vista, estas células podem ser confundidas com grupos ou aglomerados hipercromáticos de células características de lesões intra-epiteliais escamosas de alto grau, especialmente com CIN3. [ver o Capítulo 10 - Armadilhas]

Como a presença de células endometriais pode ser um indicador de patologia em uma mulher na pós-menopausa, sua presença deve ser valorizada e uma investigação mais aprofundada deve ser sugerida ao profissional que realizou a colheita.

 

Figura 9b-5 (a-c)

 

(a) Classical  ‘top hat’ appearance of endometrial cells surrounding stroma
(b) Low-power (x10 objective) screening view of normal endometrial cells
(c) High-power (x40 objective) view of the same cells. Note the high NC ratio, 3-dimensionality, coarse but evenly distributed chromatin and well-defined even nuclear membrane

 

O esfregaço na pós menopausa

A menopausa está associada à diminuição da atividade estrogênica que se reflete no esfregaço cervical padrão e o epitélio maduro em multicamadas (pseudo- estratificado) é substituído pelo epitélio atrófico imaturo. O esfregaço atrófico geralmente contêm células parabasais com discretas células arredondadas ou grupamento de células. Núcleos desnudos (núcleos desprovidos de citoplasma) também podem estar presentes. A infecção e / ou alterações inflamatórias são comuns. A presença de células endocervicais em um esfregaço pós-menopausa é reduzida devido à inversão da zona de transformação. A inversão faz com que a área endocervical possa estar fora do alcance da espátula / escova.

Nos esfregaços atróficos em que há alguma dúvida no diagnóstico, pode ser útil administrar a paciente um tratamento com estrogénio tópico de curta duração e repetir o esfregaço dentro de 90 dias, quando então, um baixo padrão proliferativo pode ser visto.

Figure 9b-6 a-c. Padrão típico da célula atrófica  

 

(a) Low-power (x10 objective) screening view 
(b) high-power view (x40 objective)
( c) Sheets of atrophic cells with a uniform pattern and no inflammation
d) Atrophic pattern with mild inflammation: note polymorph infiltration, enlarged nuclei, dense hyperchromasia but relatively low NC ratio for immature cells: see also atrophic cervicitis in Figure 9b-14 (a and b).

 

 

X