CARCINOMA DE CÉLULAS ESPUMOSAS (SCC)

Carcinoma francamente invasivo é geralmente diagnosticada em mulheres com sintomas sugerindo câncer, mas a citologia pode às vezes ser tomada como parte da investigação. A citologia é considerada não confiável no câncer clínico porque a hemorragia e a inflamação associadas tendem a obscurecer o detalhe nuclear.

Um estudo recente do NHS programa de rastreiamento cervical mostrou que a citologia em mulheres jovens sintomáticas (20-29 anos) com câncer pode ser mais confiável do que se pensava anteriormente (Landy et al., 2015). Deve notar-se que a maioria dos canceres nessa idade são susceptíveis de serem precoces (estádio IA ou IB) em vez de canceres clínicos avançados.

O carcinoma de células escamosas microinvasivo (estágio IA) quase sempre se desenvolve em um fundo de extensa NIC3, que é a anormalidade provável de ser vista em amostras de citológicas. As mulheres com estádio IA são susceptíveis de ser assintomáticos e ter o câncer detectado pela citologia.

Mulheres com cânceres invasivos precoce (IB1) também podem ser assintomáticas e detectadas na citologia. Os canceres ocultos não são clinicamente evidentes quando é coletada a amostra citológica.

Embora os sintomas devam ser sempre investigados seja qual for o resultado da citologia, um resultado anormal pode acelerar o diagnóstico.

 

Citologia cervical em mulheres com canceres invasivos

  • Citologia pode não ser confiável em canceres clinicamente avançados;
  • Carcinoma francamente invasivor só pode ser sugerido na citologia quando características morfológicas de HSIL se sobrepõem;
  • Carcinoma microinvasivo (estágio IA) é um diagnóstico que só pode ser feito na  histologia;
  • O carcinoma microinvasivo desenvolve-se geralmente num contexto de NIC3 generalizada, que é a lesão detectada como HSIL na citologia.

 

 

Citologia no carcinoma escamoso invasivo

Apresentação

Num carcinoma francamente invasivo, a diátese e / ou necrose do tumor é provavelmente uma característica. (É raro encontrar malignidade com um fundo completamente limpo, mas pode acontecer). Diátese é o produto da lise do tecido necrótico, que forma um precipitado granular e proteináceo com coloração variável. À medida que o tumor se decompõe e ulcera, tende a hemorragia, então o sangue e os seus subprodutos são observados em amostras malignas. Resíduos nucleares e citoplasmáticos como resultado da necrose, bem como o exsudato inflamatório, são uma característica do fundo citológico.

A diátese tumoral pode ser menos óbvia em em meio líquido em comparação com a citologia convencional; a maioria dos glóbulos vermelhos e células inflamatórias terão sido removidas durante o processamento.

A quantidade de material presente na amostra varia obviamente e isto é devido à localização do tumor, ao seu tamanho, aos contaminantes citológicos associados (sangue, inflamação, necrose, etc.) e à técnica de amostragem.

Deve ser dada atenção na citologia quando a clínica sugerir carcinoma invasivo. 

 

Núcleo

A hiperchromasia é uma característica constante das células escamosas malignas.

A distribuição da cromatina varia nas células dentro dos mesmos grupos, lençóis ou células distribuídas isoladamente. Algumas células mostrarão cromatina granular fina, outras cromatina granular grosseira e algumas terão cromatina opaca, marginada; sua distribuição será irregular. Clareamento nuclear e número variável de macro-nucléolos podem estar presentes - especialmente em tumores pouco diferenciados.

O número de núcleos por célula pode variar de um único núcleo para múltiplos núcleos.

Mitoses frequentes e mitoses atípicas são características de malignidade invasiva.

 

Citoplasma

Conforme descrito e ilustrado abaixo, o citoplasma varia entre ser abundante e queratinizado e não queratinizado em carcinoma de grandes células a imperceptível como no carcinoma de pequenas células. Assim, a relação N/C varia entre estes tipos de carcinoma.

 

Características citológicas sugerindo carcinoma invasivo de células escamosas

  • Diátese tumoral, hemorragia e necrose;
  • Núcleos hipercromáticos pleomórficos;
  • Cromatina irregularmente distribuída com clareamento nuclear;
  • Nucléolos proeminentes, irregulares e ocasionalmente multiplos;
  • Queratinização de células e detritos de queratina;
  • Mitoses frequentes.

 

Carcinoma de células escamosas queratinizante

Apresentação

Devido à natureza exofítica do SCC queratinizante, o tumor é geralmente diretamente amostrado em vez de descamar ou esfoliar de modo que a apresentação na preparação citológica pode ser bastante limpa. A maioria das células tumorais irá apresentar-se isoladamente e em lençóis. Nas preparações de LBC haverá uma maior percentagem de células individuais devido às forças mecânicas colocadas na amostra durante a preparação. As células terão variação de tamanho e formas bizarras / pleomórficas. Queratina livre, paraqueratose e hiperqueratose podem ser vistas, bem como células queratinizadas isoladas.

 

Núcleo

Os núcleos são hipercromáticos com cromatina irregular, granular, grosseira, e áreas claras. É raro ver macronúcleos em células queratinizadas, mas eles podem ser vistos em células mal diferenciadas na mesma amostra.

 

Citoplasma

O citoplasma é espesso, denso e refráctil. Importante é que a densidade irá variar entre células malignas. A coloração será variável mas deve existir um elevado número de células malignas orangiofílicas em comparação com células basófilas ou cianofílicas.

A relação N/C é variável de célula para célula e pode ser baixa porque o citoplasma queratinizado pode ser abundante.

 

Figure 9c-19 (a-c). Fundo de queratina no carcinoma de células escamosas

(a) Visão de baixo aumento de uma amostra de LBC mostrando fragmentos de tecido, células orangiofílicas, grupamentos de polimorfos e detritos necróticos.
(b) Queratina livre em carcinoma de células escamosas queratinizante.
(c) rakeratose em grupamento de células degeneradas.

 

 

Figure 9c-20 (a-e) Tipos celulares no carcinoma de células escamosas queratinizante

(a) Núcleos múltiplos pleomórficos em uma célula maligna com citoplasma abundante basofílico.
(b) Núcleos hipercromáticos angulados e citoplasma basofílico. A diátese tumoral também está presente
(c) Núcleos pleomórficos de tamanho variável incluindo uma célula girino com citoplasma basofílico denso
(d) Célula queratinizada com citoplasma orangeofílico denso
(e) Célula girino com citoplasma basofílico.

 

Carcinoma de células escamosas não queratinizante

Apresentação

A apresentação pode variar entre carcinomas bem diferenciados e mal diferenciados. Os carcinomas não-queratinizantes bem diferenciados podem mostrar grupos celulares coesos com bordas celulares bem definidas semelhantes às observadas na HSIL. Em carcinomas pouco diferenciados, as bordas celulares são indistintas e o citoplasma é delicado e frágil. Pode ser muito difícil distinguir um carcinoma não-queratinizante pouco diferenciado do adenocarcinoma. Os macronúcleos podem ou não estar presentes.

A diátese tumoral e uma resposta do hospedeiro (inflamação) são comuns em carcinomas de células escamosas não queratinizantes. Dependendo da técnica de amostragem, pode haver material abundante na citologia. Devido à natureza vascular dos tumores, o sangramento ocorre frequentemente durante a amostragem, então a amostra pode ser hemorrágica.

 

Núcleo

Os núcleos são hipercromáticos com variação de tamanho e forma. Quando distribuídos em grupos ou lençóis, os núcleos serão aglomerados e sobrepostos com perda de polaridade.

A cromatina é geralmente grosseira, granular e irregularmente distribuída ao longo dos núcleos - mas pode parecer regularmente distribuída em alguns casos.

Nucléolo são geralmente proeminentes. Os macronúcleos podem ser uma característica: eles são distribuídos de forma desigual e variam em número dentro dos núcleos.

 

Citoplasma

O citoplasma é levemente basófilo em carcinomas não-queratinizantes bem diferenciados e pode ser imperceptível e incolor em um carcinoma pouco diferenciado.

 

Figure 9c-21 (a-d). Non-keratinising squamous cell carcinoma

(a) Diátese tumoral observada ao lado de células severamente discarióticas com nucléolos proeminentes numa preparação de LBC.
(b) Células severamente discarióticas com nucléolos proeminentes e clareamento nuclear. Também é visível a diátese tumoral.
(c) Núcleos que sugerem carcinoma com membranas irregulares proeminentes, cromatina irregular e clareamento nuclear.
(d) Grupo de células hipercromáticas aglomeradas em carcinoma de célula escamosa não-queratinizante bem diferenciado mostrando características de discariose grave nas margens do grupo. Esta aparência não pode ser distinguida da HSIL.

 

Carcinoma de células pequenas (neuroendócrino)

Apresentação

O termo carcinoma de células pequenas refere-se a carcinomas altamente agressivos com diferenciação neuroendócrina. Estes carcinomas são raros (<2% dos canceres cervicais invasivos) e são semelhantes aos carcinomas de pequenas células do pulmão. Eles raramente são diagnosticados em citologia (Ciesla et al., 2001). Citologicamente, estes tumores apresentam células hipercromáticas dispersas de tamanho pequeno a médio com citoplasma escasso e uma relação N/C elevada. Podem ser vistos grupamentos frouxos e coesos com moldagem nuclear. A diátese tumoral está normalmente presente. As células dentro dos grupos  estão aglomeradas e com irregularidade da arquitetura. sangramento é frequentemente associado a este tumor.

 

Núcleo

Os núcleos são pequenos, redondos a ovais e de tamanho relativamente uniforme. Eles são hipercromáticos, mas o grau de hipercromassia varia entre as células. A cromatina é finamente granular e irregularmente dispersa com cromocentros proeminentes mas nucléolos imperceptíveis. Moldagem nuclear é vista nos grupamentos celulares. Mitoses podem ser frequentes.

Os núcleos são maiores (duas vezes o tamanho de um núcleo de célula intermediária normal) do que o descrito no tipo de HSIL de pequenas células.

 

Citoplasma

O citoplasma é escasso, delicado, com margens indistintas.

X