Células escamosas atípicas de significado indeterminado (ASC-US)

Na maioria dos casos, um citotecnólogo experiente ou patologista pode fazer a distinção entre células epiteliais benignas e células neoplásicas com um alto grau de confiança. No entanto, em uma pequena proporção de casos, pode haver dúvida genuína sobre se as células epiteliais são benignas ou neoplásicas.

No TBS estas alterações são descritas como "células escamosas atípicas" e no sistema britânico "mudanças limítrofes em células escamosas". A maioria dos ASC estão nos limítrofes entre normalidade e LSIL e é referido como "células escamosas atípicas de significado indeterminado (ASC-US). Uma minoria de casos há incerteza entre mudanças benignas / reativas e HSIL ou câncer: as células escamosas atípicas não podendo excluir HSIL (ASC-H) serão consideradas mais adiante neste capítulo. 

 

Existem duas situações principais nas quais a categoria ASC-US pode ser aplicada:

  1. Alterações como binucleação, paraqueratose e alterações nucleares mínimas sugerindo o efeito do HPV, mas sem coilocitose evidente.
  2. Amostras em que é realmente difícil distinguir alterações benigna, reativa ou degenerativa de LSIL.

 

Existem vários recursos que devem estar presentes para usar ASC-US.

  • Diferenciação escamosa;
  • Alguma irregularidade na forma da cromatina (hipercromasia leve, cromatina granular ou borrada, multinucleação, etc.);
  • Aumento nuclear maior que dobro do tamanho da célula normal equivalente (definição de TBS). O grau de alargamento nuclear mostrou ser semelhante ao LSIL (Slater et al., 2005a);
  • Relação núcleo / citoplasma (N/C) discretamente aumentada.

 

ASC-US em que o HPV é sugerido mas a coilocitose não está presente

Núcleos com binucleação ou multinucleação, paraqueratose, disqueratose e hiperqueratose podem ser vistos na infecção pelo HPV, mas não são específicos quando a coilocitose está ausente (Figura 9c-4 a-d).

Coilócitos podem ocasionalmente ser vistos com núcleos que parecem ser normais: estes são por vezes classificados como ASC-US ou borderline se apenas uma ou duas dessas células são vistas e outras características do HPV estão ausentes (Figura 9c-4 f). A traigem do HPV deve ser útil nesses casos, que podem ser causados por tipos de HPV de baixo risco (Steinman et al., 2008).

Células disqueratóticas que têm citoplasma orangiofílico denso com alterações nucleares muito discretas mostram que existe um irritante presente no colo do útero, que pode ou não ser HPV (Figura 9c-4 c-d). Células como estas devem fazer você abrandar e procurar uma explicação para a sua presença, como Candida albicans, que pode produzir alterações semelhantes, ou mais características definitivas de HPV em outro lugar.

As pérolas escamosas são células paraqueratóticas que se enrolaram e formaram estruturas semelhantes a pérolas. Um ou dois desses grupos de células, sem aumento nuclear ou anisocitose, é pouco provável que seja importante, mas vendo um grande número (10 +) pode indicar uma anormalidade e uma busca por outras alterações em outros lugares da lâmina.

As células anucleadas são células escamosas com um esboço fantasma de um núcleo. Elas são uma característica normal de queratinização do epitélio escamoso, como visto na vulva. Sua presença como células isoladas em um esfregaço cervical é improvável que seja significativa e geralmente é observada em amostras normais. No entanto, se presente como vários grupamentos amplos, elas indicam hiperqueratose e podem estar associadas com LSIL e, ocasionalmente, HSIL, o que deve ser procurado em outro lugar na lâmina (Williamson et al., 2003).

Figura 9b-4 (a-e). ASC-US com características frequentemente vista com infecção por HPV.

(a) Células escamosas apresentando paraqueratose, alguma variação no tamanho e forma nuclear. Os núcleos são pequenos e hipercromáticos e alguns têm binucleação.
(b) Binucleação com núcleos maiores do que as células intermédias normais mas menor do que visto em LSIL. A relação N/C é maior do que a das células intermediárias normais porque o diâmetro citoplasmático médio é menor.
(c) Paraqueratose com núcleos hipercromáticos degenerados, alguns dos quais são maiores do que o esperado para uma célula superficial normal.
(d) Pérolas escamosas: células disqueratóticas enroladas para formar uma estrutura semelhante a pérola. Ao contrário das pérolas escamosas "normais", os núcleos hipercromaticos são ligeiramente alargados e as células em outra parte no mesmo campo mostram o vacuolização e binucleação que sugerem a infeção por HPV.
(e) Células escamosas anucleadas em hiperqueratose em uma amostra normal.
f) Coilócito com binucleação, cromatina e membranas nucleares normais. No website da Conferência de Terminologia do BSCC (2002), este foi classificado como segue: 57% limítrofe, discariose leve 33%, alteração inflamatória 9%, normal 1%.

 

 

ASC-US em que distinção de inflamação não específica não pode ser feita com certeza

Amostras de mulheres perimenopausadas podem mostrar aumento nuclear sem características definitivas de LSIL. A infecção por HPV é menos comum em mulheres mais velhas e a triagem de HPV pode distinguir HPV de alto risco  associado a SIL, de alterações dentro da normalidade (Steinman et al., 2008). Com a experiência muitos desses casos podem ser relatados como normal.

 

Figura 9c-5 (a-b) 

(a-b) Aumento nuclear em uma amostra na perimenopausa relatada como limítrofe: status de HPV não conhecido neste caso, mas o seguimento foi negativo. 
(a-b) Aumento nuclear em uma amostra na perimenopausa relatada como limítrofe: status de HPV não conhecido neste caso, mas o seguimento foi negativo. 
(c) Aumento nuclear em uma amostra na perimenopausa relatada como limítrofe: status de HPV não conhecido neste caso, mas o seguimento foi negativo. 

 

X