Rastreio citológico

A capacidade de rastrear uma lâmina predominantemente negativa e perceber anormalidades ocasionais entre milhares de células requer treinamento especializado, conhecimento da natureza das células normais e anormais,bem como concentração e dedicação. Aqui lidamos com fontes de erro no rastreio e como eles podem ser evitados.

 

Fontes de erro

Relacionadas as pessoas

  • Fadiga, que é um processo pelo qual o subconsciente cérebro ignora ou desliga-se devido a um sinal repetido.
  • Distração por chamadas telefônicas, outras interrupções e pensamentos sobre preocupações pessoais não relacionadas podem levar à perda de concentração.
  • Confiança exacerbada, experiência super estimada de que um preparado anormal pode muitas vezes ser reconhecido a partir do primeiro campo, pode não reconhcer células alteradas
  • Incompreensão de alterações celulares sutis não reconhecidas durante o treinamento pode resultar em escrutinadores experientes continuarem a cometer os mesmos erros.
  • Triagem de muitas lâminas durante o mesmo dia, podem levar à perda de concentração
  • Acelerar o trabalho no final de um longo dia pode levar a anomalias sendo desperdiçadas.
  • A ansiedade devido a falta de detecção de anormalidades pode levar a um excesso de caracterização de alterações celulares benignas como atípicas ou limítrofes (borderline).

 

Meio Ambiente e equipamentos

  • Microscópios e ergonomia insatisfatórios  pode levar ao desconforto pessoal que pode afetar o desempenho.
  • Áreas de triagem não protegidas contra outras atividades laboratoriais
  • Espaço insuficiente para lâminas, computadores, cadernos etc.

 

Causas conhecidas de falsos negativos

  • Células pequenas, pálidas e esparsas correm risco de serem perdidas no rastreio primário com a citologia convencional ou em base líquida (Demay 2000; Gupta et al 2013;. Leung et al 2008;. & Mitchell Medley1995).
  • Grupo de células sobrepostas e hipercromáticas podem  ser interpretados como r células endocervicais ou endometrial e citologia em base líquida (Demay 2000; Gupta et al 2013;. & Robertson Woodend 1993).
  • Anormalidades glandulares mal interpretadas como células endocervicais reativas
  • Baixa prevalência de células anormais em preparações podem reduzir a sensibilidade de rastreio (Evans et al. 2011).

 

Causas conhecidas de falso- positivos e falso-negativos

Alterações reativas e metaplásicas interpretadas como discariose.

Células endometriais, histiócitos ou linfócitos mal interpretados como células neoplásicas

 

Fontes de erro no rastreio primário

  • Fadiga, distração, excesso de confiança e ansiedade podem, ocasionalmente, levar a erros pelos mais experientes e competentes
  • As cargas de trabalho, as deficiências do ambiente e equipamentos de trabalho podem levar a erros de rastreio
  • Erros podem resultar de falta de atualização ou de formação no treinamento

 

Métodos de controle de qualidade e garantia de qualidade

Treinamento e atualização regular deve ser obrigatória para todos os graus de citotécnicos (CQ).

Revisão das lâminas antes do relatório final ser emitido é um método útil de  controle interno da qualidade que é recomendado nos guidelines europeus e tem se mostrado mais preciso do que  a revisão de 10%  das lâminas (Wiener et al 2007;. Arbyn et al ., 2003). Existem vários métodos:

 

Revisão rápida

  • Revisão rápida tem sido demonstrado ser um método eficaz para reduzir as taxas de falso- negativos devido a fadiga ou má interpretação (Faraker & Boxer 1996)
  • Cada preparado  é avaliado durante 1 minuto em aumento de 10x e detectadas anormalidades  estes são repassados para um citotécnico sênior ou patologista para emissão do relatório.
  • Seleção Stepwise descrito por Dudding et al. (2001)  como mais eficaz do que a revisão da lâmina por  inteiro / randomizada ou em torre (Figura 11.1). A precisão variou entre os indivíduos e declinou depois de que mais de 50 lâminas foram examinadas.
  • A revisão rápida tem sido demonstrado ser mais eficaz na redução das taxas de falso-negativos do que a revisão completa de  10% das lâminas (Manrique et al., 2006). Verificação rápida de todos os preparados  negativos e inadequados é o método recomendado de controle interno de qualidade no Reino Unido, quer como rescreening ou pré-seleção (NHSCSP 2013).
Figura 11.1. Técnicas para revisão rápida de exames de Papanicolaou: Figura 1 de Dudding et al. 2001

 

Pré-triagem rápida

  • Pré-triagem rápida de todas as lâminas antes de serem submetidas ao rastreio de rotina (células anormais registradas, mas não marcadas na lâminamostrou-se igualmente sensível tal qual a revisão rápida (Arbyn et al., 2003).
  • Pré-rastreio tem a vantagem de permitir que o processo de rescreening seja monitorada e a sua sensibilidade (contra o resultado final) a ser comparado com o rastreio primário.
  • Pré-triagem rápida é mais interessante e gratificante do que rescreening de casos negativos porque  as células anormais são mais procuradas, o que pode ter um efeito positivo na sensibilidade (Evans et al. 2011).
  • Pré-rastreio foi mais sensível em Citologia em Base Líquida (CBL) do que em  esfregaços convencionais (Dudding et al., 2011a) e a sua sensibilidade pode melhorar com o tempo (Dudding et al. 2011b)

 

Triagem automatizada

Triagem automatizada é cara, mas pode ser um método ainda mais preciso de controle de qualidade, se utilizado como um método de pré-rastreio seguido por triagem primária completa (Heard et al. 2013). Ao contrário de revisão rápida ou pré-triagem rápida, a triagem com um sistema automatizado é pelo menos tão sensível como rastreio primário completo (Roberts et al., 2007) e esta acreditada para esta finalidad

Avaliação do desempenho pessoal e laboratório de rastreio primário

Revisão rápida,  pré-triagem rápida e 10% rescreening completo, todos proporcionam um método para a garantia da qualidade interna e externa do desempenho pessoal e laboratorial no rastreio primário, que é fase crítica do processo se a citologia for utilizada como teste de rastreio principal ou após triagem primária por teste para HPV .

 

Sensibilidade do rastreio primário

Número de casos anormais x 100
___________________________________________________________

Número de casos anormais 

(ASC-US + ou HSIL +)

 

Todos estes métodos de rescreening ou pré-triagem são para detectar anormalidades antes que os relatórios finais sejam emitidos, mas muito poucas alterações adicionais são encontradas: 0,18% (IC 0,14-0,21%) para revisão rápida e 0,19% (IC 0,03-0,35%) para pré triagem rápida (Arbyn et al., 2003). Este ligeiro aumento na sensibilidade fornece uma ferramenta poderosa para a avaliação de desempenho dos  escrtutinadores de citologia, mas devem ser tomadas no contexto dos seguintes fatores adicionais.

  • Gerenciando 'erros' de triagem ,devem ser confidenciais e tendo-se em mente que o escrutinador mais competente vai perder anormalidades de alto grau ocasionalmente.
  • Ações de educação, tais como formação complementar ou de atualização, só deve utilizado quando um padrão de mau desempenho é encontrado.
  • Desde  que o relatório final depende da precisão do  patologista, erros na triagem da devem ser tomados no contexto de variações individuais  de acordo com o desempenho individual.
  • Razões secundárias  para fraco desempenho, tais como excesso de trabalho, falta de equipamentos e condições de laboratório insatisfatórios devem ser tratadas em conformidade.

 

CQ e GC em rastreio primário

  • atualização regular, bem como treinamento de leitores de citologia melhora o desempenho
  • método de  rescreening de 100% dos casos detecta possíveis falso- negativos antes do resultado final ser emitido
  • Assim como o desempenho pessoal, a precisão do rastreio depende de condições do laboratório, equipamentos e carga de trabalho, que devem ser levados em conta quando se trata de "erros de rastreio '

 

X