Diretrizes para laudos de citologia anormal

É essencial a utilização da terminologia para descrever os espectros dos padrões de anomalias escamosas e glandulares vistas em citologia e histologia cervical, que seja entendida por todos envolvidos no processo do escrutínio e que os resultados possam ser comparados com outras regiões e países.

Muitos países usam a terminologia de Bethesda (Nayar&Solomon 2004), a qual distingue lesão escamosa intraepithelial de baixo grau (LSIL) de lesão escamosa intraepithelial de alto grau (HSIL) e câncer e descreve separadamente categorias “equívocas” de atipias de células escamosas e glandulares em situações em que uma clara distinção entrebenignidade ealterações pré-cancerosas não possam ser feitas.   

Figura 9a-2. O espectro das anormalidades citológicas(Figura 1 de Herbert 2004)

 

As diretrizes Europeias permitem variaçõesda terminologia (p.ex. entre dysplasia e discariose e entre atípico e limítrofe), mas suas recomendações de que “todos os sistemas de terminologia devem ser transponíveis dentro das categorias utilizadas pelo sistema de Bethesda (TBS)” é o principal neste capítulo. (Herbert et al. 2007; Arbynet al. 2008).  Nós reproduzimos aqui uma tabela comparando o TBS com outros sistemas bem conhecidos usados historicamente para a citologia cervical.

Denton et al. (2008) fornece uma correlação mais detalhada entre o TBS e os sistemas do Reino Unido e da Austrália, emuma publicação trazendo o Sistema do Reino Unido mais semelhante ao TBS.  

Figura 9a-3. Tabela 1das recomendações da terminologia da Europa para citologia cervical(Herbert et al. 2007.)

 

As diferenças terminológicas para anomalias escamosas estão simplificadas na Tabela 9a-1 abaixo. Posteriormente, no capítulo ‘limítrofe’ e categorias  ‘atípicas’ estão correlacionadas (figura 9a-4).

Tabela 9a-1. Correlação entre as categorias histológicas e o TBS e os sistemas do Reino Unido para terminologia citológica

Histologia

CIN1/HPV

NIC1/HPV

CIN2

NIC2

CIN3

NIC3

AIS, CGIN ouadeno-carcinoma

SCC

CCE (CaEsc)

Histologiaou

citologia

Displasia

leve

Displasia

moderada

Displasia

avançada

CIS

AIS

Câncer

TBS (citologia)

LSIL

HSIL

(‘favorecendo CIN2’ ou ‘favorecendo CIN3’)

AIS ouadeno-carcinoma

Câncerinvasivo

Sistema do RU (citologia)

Discariose de baixograu

Discariose de alto grau   (moderada ou severa)

Neoplasia severa

?glandular

Discariosesevera

?invasivo

 

Neoplasia intra-epitelial - NIC; Adenocarcinoma “in situ” - AIS; Neoplasia intra-glandular cervical - CGIN; Carcinoma de células escamosas – CCE; Carcinoma in situCIS; O sistema Bethesda - TBS; Lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau – LSIL; Lesão intra-epitelial escamosa de alto grau HSIL

Lesão intra-epitelialescamos de baixo grau versus alto grau

  • O Sistema Bethesda faz uma clara distinção entre baixo grau, alto grau e cancerantes apresentando o espectro das alterações da infecção pelo HPV até o câncerrepresentado na Figura 9a-2.
  • A lógica para a simplificação do espectro entre LSIL e HSIL esta exposta abaixo

 

Reversibilidade da LSIL (lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau)

Estudos de acompanhamento assim como análises moleculares demonstram que a LSIL tem reversibilidade semelhante à infecção pelo HPV e é, usualmente (mas não sempre), associada ao HPV epissomal quando o vírus esta integrado ao genoma do hospedeiro. Isto significa que a LSIL pode ser tratada como uma lesão potencialmente reversível embora com um risco de progressão para HSIL.  A classificação BSCC (British Society for Clinical Cytology) concorda com o TBS de que a infecção reversível pelo HPV não pode ser distinguida da NIC1 e recomenda que seja traada como uma única entidade (Denton et al.)

 

Risco de progressão da HSIL (lesão intra-epitelial escamosa de alto-grau)

HSIL, compreendendo dysplasia moderada e avançada/discariose (correlacionada com Nic2 e NIC3 na histologia) pode ser considerada como uma condição com um risco suficientemente alto de invasão para garantir investigação imediata e ablação ou excisão.

Assim, embora as alterações citológicas e histológicas tem um contínuo entre NIC1 e NIC3, HSIL deve ser considerada como um evento infrequente oriundo em um substrato de uma LSIL mais frequente e potencialmente reversível. 

 

NIC2/displasia moderada/discariose

Como as alterações histológicas e citológicas são um contínuo, displasia moderada (NIC2) é uma categoria intermediária,com uma maior semelhança de regressão que a NIC3, a qual justifica a distinção de uma displasia avançada mas o manejando como uma condição de risco para progressão (Castle et al. 2009; Holowaty et al. 1999).

O resultado no programa de escrutínio cervical inglês das displasias moderada e avançada (com citologia convencional e líquida) fornece evidência para a separação da lesão de alto grau em casos favorecendo NIC2 e NIC3 respectivamente e discariose de alto grau em discariose moderada e severa.     

Figura 9a-4.Correlação entre graus de discariose  e resultados de (a) citologia convencional e (b) citologia em base líquida no NHS Programa de Escrutínio Cervicalna Inglaterra (Figura 1 de Blanks & Kelly 2010). 

 

X