Avaliação da acurácia

A avaliação da acurácia do rastreamento combina sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo (VPP) e valor preditivo negativo (VPN) de um "teste positivo" em relação a um "resultado positivo" (Figura 6.5). Os seguintes fatores devem ser considerados ao avaliar medidas de precisão.

  • A natureza do teste positivo e não positivo para qualquer circunstância deve ser claramente definida como deve o resultado positivo e não positivo para essa circunstância.
  • Um teste positivo e os resultados são eventos raros em um teste de rastreamento baseado na população: assim, a especificidade e o VPL serão altos e a sensibilidade e o VPP podem ser mais relevantes (veja o primeiro exemplo na Figura 6.5 abaixo).
  • A natureza dos testes "negativos" e desfechos devem ser levados em consideração: no segundo exemplo abaixo eles podem representar anormalidades genuínas de HPV de baixo grau + investigadas na colposcopia.
  • Um teste de alta sensibilidade e baixa especificidade (como a positividade de HPV de alto risco ou ASC-US + citologia) pode ser compensado por um segundo teste de maior especificidade (como a biópsia dirigida pela colposcopia).

Existem perdas e ganhos entre a sensibilidade (que depende da taxa de falso negativo) e a especificidade (que depende da taxa de falso positivo).

A acurácia pode ser calculada para muitas circunstâncias, como a acurácia da citologia em mulheres encaminhadas para colposcopia (ver segundo exemplo na Figura 6.5 abaixo), acurácia do rastreio com relação ao relatório final e a acurácia da citologia convencional versus citologia de base liquida ou testes de HPV.

 

Estimativas substitutas da sensibilidade

Dada a dificuldade em medir a sensibilidade na ausência de conhecimento da verdadeira prevalência de CIN2 + na população, podem ser utilizadas estimativas substitutas, como as taxas de notificação comparativa para HSIL e as taxas comparativas de detecção de CIN2 + ou as taxas de testes negativos anteriores à CIN2 +.

 

Guias curtos para medir a acurácia dos testes de triagem

A revisão concisa de Lalkhen & McCluskey (2008) é recomendada como um guia curto para medir a acurácia dos testes de rastreio. Capítulo 3, Estatísticas, em RM Demay The Art and Science of Cytopathology (exfoliative cytology) também é recomendada.

 

Figure 5.5 (a-c). Exemplos teóricos da acurácia de testes com as mesmas taxas de FN e FP em populações com baixa e alta prevalência de CIN2 +.

(a) Fórmulas para medir a acurácia
(b) Acurácia com baixo desfecho de prevalência
(c) Acurácia com alto desfecho de prevalência

 

Learning points from Chapter 5

  1. The principles of Wilson and Jungner (1968) for a screening programme should be examined critically with respect to its success in preventing ‘an important health problem’ as well as its ‘snags’.
  2. Improved knowledge about ‘The natural history of the condition’ has raised problems (management of reversible vs. progressive disease) and provided alternative solutions (vaccination and HPV testing).
  3. In well-screened populations high-risk HPV, low-grade and high-grade lesions tend to be detected most frequently in women under 30 years of age.
  4. Distinction between HSIL and LSIL is the key to accurate screening.
  5. ASC-US and LSIL are consistently reported more frequently than HSIL.
  6.  Excision of high-grade CIN carries a risk of premature rupture of membranes in pregnancy: the risk is related to the depth of biopsy.
  7. Rigorous quality control is essential to avoid over-diagnosis as well as under-diagnosis.
  8. Measurement of accuracy combines sensitivity, specificity, positive predictive value and negative predictive value.
  9. There is a trade off between sensitivity (reflecting false negatives) and specificity (reflecting false positives).
  10. In a population-based screening test of a rare condition NPV and specificity may be less relevant than sensitivity and PPV as measures of accuracy.
  11. Declining prevalence of disease may compromise PPV and sensitivity.

 

X